fbpx
Entendendo a rentabilidade negativa do meu plano de previdência complementar

Entendendo a rentabilidade negativa do meu plano de previdência complementar

As carteiras de investimento dos planos administrados pela BB Previdência têm um perfil conservador com a maior parte de seus recursos aplicados em ativos de renda fixa.

Se os recursos estão aplicados majoritariamente em renda fixa, por que a rentabilidade do meu plano foi negativa no mês de maio de 2018? Renda fixa pode ter rentabilidade negativa? Essas são algumas das perguntas que temos respondido nos últimos dias.

Para explicarmos o que está acontecendo, antes é necessário esclarecer que as reservas dos planos estão aplicadas em títulos públicos federais ou em fundos de investimentos de renda fixa compostos por títulos dessa mesma natureza, os quais são considerados os ativos mais seguros do mercado financeiro brasileiro.

Existem vários tipos de títulos públicos federais emitidos pelo Governo e cada um com diferentes características. Na carteira dos planos da BB Previdência, a maioria dos títulos públicos são Notas do Tesouro Nacional série B (NTN-B), pois esses títulos possuem uma rentabilidade que garante a reposição da inflação do período da aplicação mais uma taxa real de juros (IPCA* + % de juros), sendo, assim, mais aderentes às metas atuariais** ou aos parâmetros de desempenho dos nossos planos.

Desde 2002, por determinação do Banco Central, os ativos de renda fixa (títulos públicos e privados, prefixados e pós-fixados, bem como os seus fundos) sofrem ajustes diários para determinar seu preço justo e permitir que o patrimônio da carteira de ativos ou dos fundos reflitam, efetivamente, o valor que se alcançaria em caso de venda desses ativos antes da data de seu vencimento.

A realização desses ajustes diários é denominada “Marcação a Mercado”.

Mas na prática, como isso funciona?

Quando compramos um título de renda fixa estamos emprestando dinheiro ao emissor desse título, que pode ser uma empresa, uma instituição financeira ou o Governo Federal. Em troca desse valor emprestado receberemos uma remuneração pactuada para um determinado prazo.  O preço do título varia em função do prazo e da taxa básica de juros (Selic) vigente na economia.

Para melhor explicarmos, imagine o seguinte exemplo: compramos um título público federal NTN-B com vencimento em 2035 com rentabilidade estabelecida em IPCA + juros de 5% a.a. Se não vendermos esse título até o seu vencimento, a rentabilidade obtida será exatamente aquela que foi acordada na data de sua compra. Ou seja, o Governo Federal, independentemente das taxas que estejam vigentes na data do vencimento do título, devolverá o capital investido, corrigido pela inflação do período mais juros de 5% a.a.

Entretanto, ao longo do prazo da aplicação, o valor do título varia. Isto acontece porque aquela taxa pactuada (os juros de 5% a.a.) foi baseada na taxa Selic no momento da compra. Se quisermos vender o papel antes do vencimento e naquele momento a Selic estiver menor do que quando compramos o título, os compradores daquele título vão aceitar pagar mais pelo título já que os novos títulos emitidos pelo Governo estarão sendo emitidos com taxas menores.  Por outro lado, se a Selic estiver mais alta, os juros dos títulos emitidos a partir dali provavelmente serão maiores do que 5% a.a., então os investidores pagarão menos pelo título. O sobe e desce do valor do título ao longo do prazo da aplicação é o efeito da “marcação a mercado” e ele é realizado diariamente, embora a maioria das pessoas não saiba disso.

E é exatamente isso que vem ocorrendo desde o mês de maio de 2018, mas com uma intensidade muito elevada.

Diversos fatores no cenário econômico externo e interno, como a elevação do preço do dólar, a greve dos caminhoneiros e as projeções sobre as eleições presidenciais no Brasil, deixaram o mercado turbulento. Esses acontecimentos fizeram o mercado acreditar que poderia acontecer uma elevação na taxa básica de juros aqui no Brasil (a taxa Selic), o que trouxe severo impacto nos preços dos ativos de renda fixa que são marcados a mercado.

É importante frisar que esse movimento afetou todo o mercado não apenas o seu plano de previdência e que, apesar de ser atípico, já aconteceu anteriormente. Quando os fatores de risco diminuem, o mercado se acalma e a rentabilidade tende a voltar a patamares positivos.

Considerando que os objetivos dos investimentos de um plano de previdência têm um horizonte temporal de médio e longo prazo, esses ajustes negativos são revertidos ou no mínimo suavizados quando o mercado volta à normalidade.

Cabe ainda lembrar que as rentabilidades negativas decorrentes da “marcação a mercado” não significam necessariamente perdas financeiras. Isso só ocorre se os títulos ou se as cotas dos fundos de investimento de renda fixa onde estão aplicadas as reservas dos planos forem vendidos/resgatadas em data muito próxima àquela em que ocorreu a marcação negativa. Em momentos de instabilidade é necessário manter a calma e aguardar que o mercado se estabilize.

Aproveitamos para reforçar nosso compromisso de cuidar bem do que é valioso para você: o seu futuro.

*IPCA – Índice de Preço ao Consumidor Amplo

**Metas Atuariais – é a rentabilidade mínima necessária das aplicações financeiras de um plano de previdência, para garantir o cumprimento dos seus compromissos futuros.

 

Compartilhe
6+

22 Comentários sobre “Entendendo a rentabilidade negativa do meu plano de previdência complementar

  1. Algo nao esta batendo com a explicacao contida neste documento, esclareco:
    Se a maioria dos titulos da BB Previdencia estao aplicados em NTNB 2035 que tiveram uma rentabilidade de 65,98% nos ultimos 30 meses, porque nos ultimos 30 meses a rentabilidade da BB Previdencia foi somente 33,24% (soma de 19,27% em 2016, 12,19% em 2017 e 1,78% em 2018, contido no extrato)???? METADE !!!!!
    A primeira vista parece que quando sobe muito nao repassam o ganho, mas a perda esta sendo totalmente repassada na marcacao a mercado.

    12+
    1. Oi Rubem! Mandei a resposta para o seu e-mail, pois falaremos de especificidades do seu plano, ok? Veja lá, e se precisar de mais esclarecimentos, conte conosco. Um abraço!

      2+
      1. Olá, Paulo. Tudo bem? Todos os assuntos relacionados ao seu plano de benefícios estão no Portal da BB Previdência. Inclusive, as informações da carteira e a rentabilidade do seu plano compõem o informe mensal, disponível no Acesso seu plano do portal. Não deixe de consultá-las! Se achar que as informações são insuficientes, entre em contato conosco, utilizando o formulário Fale Conosco do site ou do App da BB Previdência.

        Obrigada pela sua presença e volte sempre 😉

        2+
  2. Bom Dia, Juliana, tudo bem?

    Fiquei intrigado com o questionamento do Rubem Azevedo. Mais ainda quando tu respondeu por mensagem eletrônica.
    Solicito mandar para mim, também.
    Grato,

    José Carlos

    1+
    1. Oi José Carlos! Cada um dos planos administrados pela BB Previdência possui uma carteira diversificada nos diferentes segmentos de mercado, de acordo com o que estabelece sua Política de Investimentos, em conformidade com a legislação, e aprovada pelo Conselho Deliberativo da Entidade. O conteúdo do e-mail detalhava a alocação dos recursos em cada um dos segmentos e a rentabilidade alcançada no mês de maio e acumulada em 2018. Informamos ainda que toda a rentabilidade da carteira, se positiva ou negativa, é repassada integralmente ao plano. Essas e outras informações são publicadas mensalmente no site, no menu “Rentabilidade”.

      Os nossos participantes receberão por e-mail informações específicas relativas ao seu plano de benefícios. Um abraço!

      2+
  3. Quer dizer que eu estou pagando taxa de administração (que não são baixas) para um gestor comprar títulos públicos para mim, sendo que eu mesmo posso comprá-los sozinho e além disso ele compra os mais arriscados (NTN-B) ao invés de me proteger comprando LFTs que não oscilam dessa maneira. Olha , ja fui melhor atendido aqui no BB , por isso que estou migrando aos poucos meus recursos.

    4+
    1. Olá, Caio. tudo bem? Tentamos contato com você por e-mail e não tivemos retorno. O seu plano de previdência é da Brasilprev ou de um dos planos administrados pela BB Previdência? Não temos informações suficientes para localizá-lo em nossa base. Gentileza, entre em contato conosco.

      Até mais. Abraços!

      2+
    1. Oi, Jônatas. Tudo bem?

      O IPCA+4,00% a.a é um “Índice de Referência” e está sujeito às variações momentâneas do mercado”. Dessa forma, não é garantia de rentabilidade, mas uma meta a ser alcançada; e essa rentabilidade, que depende das condições do mercado financeiro, o qual impacta os preços dos ativos investidos, pode ser inferior ou superior ao “Índice de Referência”. Explicando o que aconteceu nos meses de maio e junho, o mercado financeiro, e consequentemente, os preços dos ativos, foi marcado por uma forte instabilidade, o que vem gerando volatilidade na cota dos planos. Diversos fatores no cenário econômico externo e interno, como a elevação do preço do dólar, a greve dos caminhoneiros e as projeções sobre as eleições presidenciais no Brasil, deixaram o mercado turbulento. Logo, considerando que os objetivos dos investimentos de um plano de previdência têm um horizonte temporal de médio e longo prazo, é necessário manter a calma e aguardar que o mercado se estabilize, trazendo ajustes positivos para as rentabilidades dos planos.

      Aproveitamos para reforçar o nosso compromisso em cuidar do que é valioso para você, convidamos-lhe a buscar maiores informações no Acesso seu plano do portal da BB Previdência.

      Obrigada pela presença e volte sempre. Grande abraço! 😉

      2+
  4. Gostaria de saber se tudo isso que já foi explicado indica, por acaso, que este ano não teremos reajuste nos benefícios.

    1+
    1. Olá, Ruy. Boa Tarde! Por se tratar de uma dúvida específica do seu plano de benefícios, enviaremos a resposta para o seu endereço de e-mail. Até mais. Abraços!

      2+
    1. Boa tarde Alexander!

      São muitas as diferenças, mas a principal é que a BB Previdência é uma entidade que administra planos fechados de previdência, ou seja, para empresas/entidades de classe e seus empregados/associados. A Brasilprev administra planos de previdência aberta, vendidos em agências, para pessoas físicas.

      Escrevemos duas matérias explicando direitinho, não deixe de ler!

      BB PREVIDÊNCIA OU BRASILPREV?

      O BANCO DO BRASIL E A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

      Obrigada pela visita, volte sempre! Um abraço 🙂

      1+
  5. Absurdo! Me fizeram mudar para os que dariam mais rendimentos e neste mês já me tiraram quase 4 mil, em 13 dias!!! Por que mentem tanto? Quem vai me ressarcir de tantos prejuízos pelas mentiras de vocês?

    1+
    1. Ivana, não localizei você na nossa base de participantes. Você realmente é participante de algum plano fechado administrado pela BB Previdência? Pode me passar seu CPF para que possamos esclarecer o que pode ter havido no seu caso?

      Um abraço e até breve.

      1+
  6. Outra vez rentabilidade negativa nos planos de previdência de renda fixa da Brasilprev. Planos 80% pós fixados no tesouro Selic. Como é que pode? E os aportes subiram no mes. Portanto não houve venda de título como é vque pode?

    1+
  7. Não entendi nada, precioso de esclarecimento, com mais clareza. clareza. Porque a previdência, BRASILPrev o rendimento foi negativo no mes de dezembro de 2019? O que aconteceu? Isso pode continuar?

    0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *